Um País Desgovernado

Um Brasil desgovernado

Vejam a precisão desta sentença: “A intemperança sem limites é, pela sua própria natureza, uma tirania; foi causa da queda de tronos prósperos e da vida de muitos reis”. Preciso como sempre, Shakespeare manda um recado, em 1604, para o Presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro.  Destemperado e sem limites, é como tem se comportado o Presidente do Brasil, que dirige o país “dando coices” em tudo e em todos e o tempo todo. Seja no Congresso, entidades de direitos humanos, ambientalistas, professores, intelectuais, imprensa, na sociedade em geral e mais fortemente no STF, a quem ele declarou guerra, usando a tática do “Morde assopra”. O país vive um clima de tensão permanente, e Bolsonaro tornou-se nosso pior pesadelo nesse momento de profunda dor e sofrimento.

Bolsonaro foi eleito pelo poder do algoritmo, pelo mundo virtual com seus robôs e fake news, pelos hackers, os pistoleiros modernos e pela turma da Caverna, a saber: ingênuos, fanáticos e ignorantes. O Presidente é um homem despreparado e tirânico, considerado pela imprensa internacional e analistas em geral como o pior líder na condução da crise do Coronavírus no mundo. Seu “amigo” Donald Trump afirmou que “Teríamos dois milhões de mortos se tivéssemos seguido o exemplo da Brasil”, na condução da administração da Epidemia. Portanto, não é exagero dizer que o país está enfrentando duas tragédias simultâneas – a peste do Cornonavírus e Jair Bolsonaro.

O Presidente dissemina caos e confusão todos os dias, quando anda em Cafés, praças, abraça crianças, faz discursos na porta do Palácio do Planalto, comparece a reuniões sem usar máscara e chama o Coronavírus de “gripezinha”, enquanto mais de trinta e oito mil brasileiros já morreram. Ele não soma, só divide o país! Não bastasse isso, apoia, financia e arma um grupo de fanáticos que pregam o fechamento do Congresso e do STF. Afirmo, sem exagero, que muitas das ações dos fanáticos, apoiadas e incentivadas pelo presidente, são semelhantes às realizadas pelos fascistas e nazistas no início dos anos vinte e trinta, na Europa. Bolsonaro está flertando com a ditadura, e temos que tomar muito cuidado com isso. Seu governo já tem mais militares do que o governo do General Figueiredo.

Bolsonaro não respeita, e sequer sabe o que é liturgia do cargo. Comporta-se como um prefeitinho louco de cidade do interior. Por isso, não dá para chamar sua administração de outra coisa, que não seja desgoverno. “Gabinete do Ódio”  – é assim que é chamado seu governo. Um governo tomado por ministros que mimetizam e reproduzem tudo de ruim que ele diz e faz. E mais, seus terríveis filhos são uma legião de doentes, de cães raivosos que destilam e disseminam ódio “a torto e à direita”. E esse povo ainda tem um guru, Olavo de Carvalho, um astrólogo fascista assumido que se diz filósofo!

Gostaria de falar sobre fé e esperança nesse momento terrível, mas infelizmente tenho que escrever sobre o governo, porque sei que a condução do país está nas mãos de um temerário que, com suas ações, está provocando mais dor, sofrimento e morte ao povo brasileiro. O país está sem ministro da saúde. Vejam suas últimas ações: negar e maquiar as estatísticas dos doentes e mortos pela Peste; ameaçar sair da OMS e aliar-se ao Centrão, o que há de mais nefasto na política brasileira. Que coisa horrível, isso!

Mas temos saída, Bolsonaro com seu ódio e intolerância está conseguindo unificar o Brasil que defende e luta pela democracia. Por fim, concluo pondo na boca desse carniceiro essas palavras de Shakespeare: “As virtudes que tanto esplendor dão aos reis: a justiça, a verdade, a temperança, a constância, a bondade, a perseverança, a misericórdia, a clemência, a piedade, a paciência, o valor, a fortaleza, em mim, não existem o menor traço”. E lembrando a ele que o “Destempero sem limites foi a causa da queda e da morte de muitos reis”. Fica o recado. E fiquemos em casa!

Sobre a Peste e o egoísmo

Há quem diga, e não são poucos, que a epidemia vai deixar a humanidade mais solidária, mais “humana”, mais generosa, depois que a Peste passar. Adoraria que isso fosse verdade, mas, infelizmente, não estou vendo essa possibilidade, até porque não estou vendo muita solidariedade agora. Pelo contrário, mesmo que pessoas estejam morrendo como moscas, administradores públicos em conluio com empresários e políticos continuam saqueando os cofres públicos. A cúpula da Secretaria de Saúde do Rio e vários homens de negócios acabaram de ser presos por comprar máscaras e respiradores superfaturados por quase um bilhão de reais! Isso não é roubo, é assassinato! Roubar dinheiro de respiradores, nesse momento, é cometer assassínio.

E casos semelhantes estão se sucedendo Brasil afora. Os perversos estão roubando nas sombras, aproveitando o mundo virtual porque é aparentemente mais fácil do que no mundo presencial! Se administradores públicos e empresários, mancomunados com políticos, estão agindo assim, no ápice da tragédia, como mudarão seu comportamento criminoso no futuro?  A escuridão é o melhor ambiente para os ladrões. E esse ambiente voltou. Ficou mais difícil enxergar os assaltos virtuais nesses tempos sombrios! O ministro do meio ambiente disse que a pandemia é oportunidade para “passar de boiada”. Vejam de onde vem o exemplo.

É lamentável que as pessoas não tenham um mínimo de sensibilidade com o sofrimento alheio! Para esses “Monstros do coração de mármore” a pobreza é fruto de preguiça, incompetência, desleixo… Como se não vivêssemos num país injusto, desigual. São esses egoístas que ajudaram a criar essa situação de desigualdade no Brasil! Não dão nada aos pobres alegando que “O que é meu, é meu. Foi construído com o fruto do meu suor, quem quiser que trabalhe”.  É assim que esses monstros insensíveis, enclausurados, fechados no egoísmo se expressam. E não se trata de uma minoria, mas sim de uma parcela gigantesca da sociedade brasileira!

E tem a turma dos omissos, os indiferentes, aquele povo que não fala com ninguém, que não quer ser visto, vive na sombra, se escondendo pelos cantos. Um bando de  covardes incrustado na classe média mesmo, a indiferença não é privilégio dos ricos. Somos cercados por gente que “Não dá esmola a um cego”. Maquiavel diz que “Os homens são “ingratos, volúveis, dissimulados, tementes do perigo e ambiciosos”. Sim, mas achamos que num momento de exceção, de terrível sofrimento, esses comportamentos pudessem arrefecer. Pelo contrário, houve um recrudescimento. As pessoas continuam blefando, mentindo, conspirando, traindo, roubando, fazendo o mal…

Sim, temos muitos exemplos de gente fazendo caridade. Cantores fazendo os famosos Lives arrecadando donativos, instituições fazendo doação de cestas básicas, empresas privadas, ONGs,  Sindicatos de Servidores Públicos e bancos fazendo generosas doações… Mas é ainda é pouco! Estamos longe do comportamento de boa parte do mundo, onde vemos exemplos de generosidade, de caridade entre seus cidadãos. Precisamos doar mais! Filantropia é algo que não existe no Brasil! O brasileiro não é solidário. Falta-lhe senso de comunidade. Vejam que não estou falando dos fanáticos, negacionistas e perversos que trabalham contra o Lockdown e empestam às ruas e redes com o vírus do ódio! Também não falei da cachorrada exposta no infame vídeo da reunião presidencial, que envergonha o Brasil!

Shakespeare diz que “A teia de nossa vida é tecida, ao mesmo tempo, com o bem e o mal. Nossas virtudes seriam orgulhosas se não fossem flageladas pelas nossas faltas; e nossos vícios nos levariam à exasperação se não fossem compensados por nossas virtudes”. Infelizmente, nesse momento, as faltas e os vícios estão imperando sobre a virtude, e o Bem está sendo flagelando pelo Mal! Gostaria de ser mais otimista, mas, infelizmente, como já disse, não tenho razão para isso. A realidade fala mais alto. Embora as coisas sempre possam mudar!

Afirmo que o Egoísmo, nesse momento, mata mais do que a Peste em si, e que o número de pessoas empestadas pelo Egoísmo é infinitamente maior do que os infectados por Covid-19! Duvidam? “Olhai à vossa volta”, e digam se estou errado! E fiquemos em casa!

 

 

Regina Duarte, A Deusa Vencida

 

Na peça Muito Barulho por Nada, Shakespeare diz que “Uns nascem grandes; alguns adquirem a grandeza e a outros a grandeza vem ao encontro”. O príncipe Charles, da Inglaterra, já nasceu grande, não precisou fazer quase nada para ser quem é; Bill Gates, o homem mais rico do mundo, adquiriu a grandeza como empresário, fabricando softwares; já a atriz brasileira Regina Duarte, se enquadra na terceira assertiva: a grandeza veio ao encontro, já que não precisou fazer muito para ser a atriz mais amada do Brasil, por mais de cinquenta anos!

Regina Duarte é uma mulher abençoada por Deus, daquelas raras pessoas que nascem com carisma, predestinadas ao sucesso, a ser estrela. Regina não estudou muito a arte da interpretação, para chegar ao estrelato. Quando digo que não precisou fazer muito é porque ela é daquelas pessoas cheias de encanto pessoal, que brilham sem fazer muito esforço. Com suas dezenas de novelas e papéis memoráveis, Regina transformou-se no rosto mais conhecido da TV brasileira, desde 1968, como superstar da Rede Globo de Televisão, e suas novelas que dominam a TV brasileira.

Protagonista de papéis românticos, cômicos, como viúva Porcina, Simone (em Selva de Pedra), Malu (na série Malu Mulher), Clô Hayalla (segundo ela, seu maior papel), dona de um sorriso cativante, belo e acolhedor – ela parece estar sempre sorrindo –, ar maternal. Regina encarna a amiga, a irmã que queríamos ter, ou a nora que muitos pais desejam para seus filhos. Não foi à toa que ela recebeu o apelido, o título de Namoradinha do Brasil. Por que isso? Simplesmente porque o Brasil inteiro namora, ama a cativante Regina Duarte!

Com 73 anos de idade, Regina tem a aparência de uma mulher de 55 anos, no máximo, é “inteiraça” para usar um termo popular. Regina é mãe, avó, amada pelos brasileiros, grande atriz, enfim uma “mulher realizada”, que chegou à velhice coberta de glórias, e também de dinheiro, fruto dos seus 55 anos de carreira, recebendo altíssimos salários, até mesmo sem trabalhar! Perguntamos: “O que diabos essa mulher pode querer mais”?

Pois muito bem, não é que essa mulher encantadora, poderosa, idolatrada pelo povo, já caminhando para a cena final, não resolveu se “meter com o poder”, assumir o posto de Secretaria de Cultura, ministra, na verdade, do pior governo da história do Brasil!? Como isso é possível? Como que “alguém realizado”, que cumpriu sua missão, que interpretou tantos papéis, vai se meter com política, a mais difícil, incompreendida, perversa e suja das atividades humanas?! Exatamente na hora de descansar! E Regina nunca foi uma atriz de dar opiniões, ou fazer o tipo intelectual! Muita gente acha que foi ser ministra por busca por Poder. Tenho certeza que não foi!

Não foi preciso assistir a desastrada e horrorosa entrevista que Regina deu a Rede CNN – embora o entrevistador e os apresentadores fossem muito ruins – nos últimos dias, para que eu fizesse meu juízo. Eu já sabia que seria aquilo mesmo!

“Freud Explica”, quem não lembra dessa sentença usada à exaustão por quase um século! Pois muito bem, Regina Duarte é filha de um cearense oficial do exército brasileiro. Ou seja, a mesma ocupação de Jair Bolsonaro, o perverso que agora ocupa a presidência da República. Regina Duarte disse várias vezes que Bolsonaro lembra muito o seu pai. Daí, concluo e repito, Regina Duarte sofre de Complexo de Electra! Não encontro outra explicação para Regina Duarte sujar de sangue sua biografia! Perguntem aos psicanalistas!

Shakespeare diz em O Mercador de Veneza que “as mais brilhantes aparências podem encobrir vulgaridades”. Infelizmente, é isso que Regina Duarte é, e me dói muito dizer isso, uma mulher pobre de valores, insensível, de pouca inteligência, vulgar, e que não superou seu Complexo de Édipo! A atriz Regina Duarte é grande, nobre quando se transforma em Porcina, Malu, Simone… Mas é pequena e pobre quando é ela mesma, a mulher Regina Duarte! Ela representa a sentença de Iago, em Otelo “Eu não sou o que sou”. É curioso que o primeiro papel de Regina Duarte na televisão ocorreu em 1965, na novela A Deusa Vencida, na TV Excelsior. Pois não é que Regina resolveu terminar seus dias representando novamente esse mesmo papel! É isso, Regina Duarte  é a Deusa Vencida! Que tragédia!

Os Imbecis Singulares

“Diabos, eu vou morrer, meus pais, filhos e amigos vão morrer? Como é que isso pode estar acontecendo?”. Como é que eu não previ isso?”. Devem ser essas as perguntas que estão fazendo agora os “homens que estão vencendo a morte”, os adeptos da Singularidade, os algoristas, os donos da verdade, reis da inteligência artificial, os pop stars do mundo virtual! Eles não deveriam estranhar, até porque eles já estão acostumados a destruir, matar pessoas manipulando números na Esgotosfera, comportando-se como deuses, muito embora eles detestem essa palavra que remete a fé!

O que estará pensando agora Ray Kurzweil, autor do livro A Medicina da Imortalidade, o profeta futurista autodenominado ‘transumanista’, imbecil respeitadíssimo, que toma duzentos comprimidos de suplementos alimentares por dia, pois tem como “meta de viver para sempre (ele tem 72 anos), já que em 2029 o homem atingirá a singularidade” isto é, terá se fundido com uma máquina. Ou seja, o homem deixará de ser humano, vai virar super-herói da Marvel. A tese desse idiota digital, escritor, cheio de títulos acadêmicos, e PhD. pelo prestigioso MIT, não é de todo estúpida, pois todo tolo que tem um smartphone, sabe que nós estamos próximos demais das máquinas, já que elas “advinham” nossos pensamentos.

O que eu quero mostrar é que esse mentecapto, que se diz vidente científico, em momento algum, em seus livros, palestras, lives pensou ou cogitou, o mínimo que fosse, sobre a tragédia que estamos enfrentando. Nem ele nem seus estúpidos adeptos de laboratório! Pergunto, cientistas que estão no topo da escala da comunidade científica não conseguem visualizar a aproximação de uma tragédia que a ciência tem o dever de evitar? Não estou dizendo que eles têm obrigação de prever, mas sequer se trabalhou com a probabilidade de isso vir a acontecer?! Sabem por que eles não sabem? Não sabem porque se acham onipotentes! Não sabem porque à maioria desses sujeitos não tem um pingo de espiritualidade, cultura humanística, ou de sensibilidade artística. São frios como lâminas de barbear, e não conseguem enxergar o ser humano como um ser transcendente, um produto racional único do Universo e, porque não dizer, um filho de Deus!?

Não estou criticando a ciência, os cientistas seriíssimos – a humanidade talvez já tivesse sido extinta não fosse a ciência – e dedicados, que trabalham para oferecer o melhor para a humanidade. Estou criticando os espertalhões, os superstars do mundo algorítmico que manipulam a verdade, escrevendo mentiras em Best sellers, Blogs, fazendo palestras, lives e ganhando muito, muito dinheiro distorcendo a verdade. Já não basta o que eles fazem manipulando eleições mundo afora elegendo autocratas! Fora com esses canalhas!  A hora da verdade chegou para eles e seus seguidores, tão doentios quanto fanáticos religiosos que eles desprezam e chamam de escória. Essa turma do Algoritmo é tão fanática quanto os idiotas que se ajoelham para falsos pastores.

Pergunto, se esses sujeitos conhecem o célebre discurso de Charles Chaplin no filme o Grande Ditador, de 1942, quando a humanidade enfrentava um flagelo semelhante ao de agora: a Segunda Guerra Mundial, o demônio Adolf Hitler, o Coronavírus daqueles anos.  “Não sois máquinas, homens é que sois” é o que diz Chaplin, o humanista múltiplo que fez a humanidade rir por três gerações! É assustador que parte dessa turma viva enfurnada na Caverna, aquela caverna do mito de Platão, e não enxerguem um palmo diante do nariz, quando deveria ser o contrário, já que são cientistas! Estão hipnotizados pelo gigantesco poder transformador da tecnologia, em busca da imortalidade, e esqueceram que são humanos, mortais, falíveis e nada os fará imortais! Quando Shakespeare nos chamou, pela boca de Hamlet, de “Quintessência do pó”, ele estava ecoando a Bíblia, que diz que “Tu és pó, e ao pó voltarás”. E mais, só se tornam imortais aqueles que criam, a única forma de viver cem, quinhentos, mil anos! Como Platão, Michelangelo, Leonardo da Vinci, Newton, Mozart… Portanto, tremam agora, encarem o medo do sofrimento e da morte, pois saibam que jamais seremos máquinas! Homens é o que somos! E vão para o inferno!

 

A Peste, a Razão e o Cristianismo

 

Talvez agora, a humanidade virtual, tecnológica, algorítmica, globalizada, o Império da Razão, assolada por uma peste, que podemos chamar de medieval, possa entender por que o Cristianismo  consolou o ocidente e quase todo o mundo por quase dezoito séculos, até ser negado e combatido violentamente pelo Iluminismo. O Século das Luzes – a Revolução Francesa – desenterrou os corpos de todos os reis franceses do Santuário de Saint-Denys, e os profanaram, jogando-os num fosso, e dissolvendo-os com cal. Feito isso, passaram a matar o povo e depois mataram-se a si mesmos! Começava a Era da Razão! Isso mesmo, a Era da Razão! Em seguida, Auguste Conte criou o Positivismo, decretando o fim da fé e das religiões. Uma bobagem! O efeito foi efêmero, não durou, muito embora tenha tido efeito na jovem República do Brasil, ao ponto de nossos dirigentes colocarem em nossa bandeira o slogan Ordem e Progresso, o lema dos positivistas.

A Ciência é a responsável pelas grandes transformações iniciadas na Inglaterra, no início do século XVII, com o Novum Organum de Francis Bacon, e da descoberta da circulação do sangue por William Harvey! Para comprovar a revolução que a ciência fez na humanidade, basta dizer que ela quase triplicou a longevidade dos homens. O que a Anestesia, a Penicilina e a Pílula anticoncepcional fizeram pela humanidade é maravilhoso! Depois vem a tecnologia, com seus telefones, carros, aviões, geladeiras, televisão cinema e etc, etc. Não preciso sequer falar da Revolução Industrial! Aí fomos à lua; vieram os computadores; a inteligência artificial… Não que a Primeira Grande Guerra, a Gripe Espanhola e a Segunda Guerra Mundial não tenham provocado um hiato, muita dor, sofrimento, milhões de mortes e uma devastação quase sem precedentes! O mundo quase sucumbe.

O livro mais vendido no mundo em 2019, best seller, detesto esse anglicismo, foi Sapiens, do “gênio” judeu Yuval Harari, que decretou que o ser humano finalmente tinha chegado à imortalidade. Foi festejado, incensado e idolatrado por ninguém menos que Barack Obama, Mark Zuckerberg e Bill Gates e uma gigantesca legião de idiotas! O parlamento brasileiro pagou-lhe uma fortuna para fazer uma palestra no Brasil. Pensem num imbecil! O livro de Harari foi um sinal de alerta para mim de que a humanidade estava correndo perigo. Só não sabia dizer de onde viria o tal perigo. Bem, agora já sabemos – A Peste do Coronavírus, prima da Peste Negra que devastou o mundo no século XIV, e continuou a fazer misérias séculos adentro. “Entenderam turma do Algoritmo”?

Viralizar é o verbo mais utilizado pelas pessoas no mundo real e virtual. O verbo da medicina, sinônimo de disseminar, espalhar rapidamente como vírus, foi escolhido pelos hackers e algoristas como o ideal para atestar a rapidez do mundo virtual, a multiplicação de mensagens e vídeos na Internet! Pois não é que surgiu um vírus real, assassino que virou nosso mundo de cabeça para baixo! Haveria alguma coincidência nisso tudo ­– Vírus virtual e Vírus real? Digam, não é engraçado? Uma grande coincidência, isso! Vamos discutir ao longo do tempo! Deixo a reflexão!

Bem, veio à Peste Negra, Gripe Espanhola, Gengis Khan, Hitler, ou seja, monstros invisíveis e monstros humanos! Lembro que Shakespeare enfrentou um surto de peste que devastou Londres, obrigando a fechar os teatros, uma das poucas diversões fechadas daquela época. Shakespeare aproveitou para escrever Rei Lear, Macbeth e os 154 Sonetos. E ele nos deixou essas palavras, em Macbeth, a praga humana que devastava a Escócia “Não há longa noite que não encontre o dia”. É isso, a luz virá! Deixemos a ciência trabalhar! Nada de viralizar, vamos orar!

No Ritmo do Algoritmo

A humanidade está vivendo – ou ‘dançando’– sob o ritmo do Algoritmo. É o algoritmo – no Vale do Silício – que dá o ritmo das nossas vidas nos subterrâneos do mundo virtual, das Redes sociais, as grandes produtoras de calúnias. São manipulações e mentiras oriundas da esgotosfera, o mundo dos hackers  –  os pistoleiros do século XXI –, os atores principais desse lamentável espetáculo que a humanidade está vivendo! Dessa nova era em que a mentira é a grande catalisadora. Uma era que começou no fim do século XX, mas que ainda não tem um nome! Vamos ver como é que os historiadores vão denominá-la no futuro! Um futuro bem próximo, já que as transformações são tão rápidas e violentas, que está cada vez mais difícil prever o que irá a acontecer daqui a quatro ou cinco anos, por mais que se tente especular!

Bertrand Russel, o eminente filósofo e matemático britânico – e terrivelmente polêmico e contraditório –, já dizia em seu livro, A História do Pensamento Ocidental, do final dos anos 50, que “O homem não tem como acompanhar os avanços da tecnologia. Por mais que ele tente, ela sempre andará à frente dele”. Isso foi escrito há mais de sessenta anos. Russel estava certíssimo! A tecnologia nos deu muito, constrói muito, mas desnorteou o ser humano. Hoje só se fala em inteligência artificial e seu poder avassalador, e mais, o que isso está fazendo nas relações sociais e de trabalho. Algo meio parecido com o que aconteceu nos séculos XVIII e XIX com a Revolução Industrial, na Inglaterra, que desempregou milhões de operários nas tecelagens, obrigando os trabalhadores a quebrarem as máquinas para não perderem o emprego. Hoje, só se festeja! Como tudo vem dos EUA, Coréia do Sul, Japão e alguns países da Europa, o restante das nações vão a reboque de tudo isso. A tecnologia digital emprega trabalhadores num lugar e desemprega milhões em outros. Os países menos desenvolvidos sofrem brutalmente com esses choques.

Em que acabará tudo isso? A China cresce num ritmo alucinante, engolindo tudo, e ameaça a hegemonia do Ocidente, dos EUA, em particular. Estamos vivendo num mundo confuso, em que as pessoas não estão conseguindo captar tantas transformações em suas vidas. O Smartfone tornou-se um apêndice do ser humano, um “Bombril de mil e uma utilidades”, tantos são os seus recursos, e ao mesmo tempo uma espécie de “carteira de cigarros”, um maço de vícios que nos transforma, em alguns momentos, em meros dependentes químicos. Embora o Smartfone, aqui no Brasil chamado de Celular, tenha barateado e facilitado ligações e conexão rápida com o mundo todo, ele também deixou as pessoas mais ansiosas, angustiadas e viciadas. Ninguém consegue se libertar dos aparelhinhos que transformaram nossa vida num inferno.

A privacidade acabou! Todo mundo está vigiado, grampeado. O assustador mundo que Aldous Huxley previu nos anos 30, com seu livro Admirável Mundo Novo parece ter chegado. Futuristas, os homens do algoritmo dizem que “A singularidade está próxima”. Que em 2045, os computadores terão ultrapassado os seres humanos em inteligência, que a inteligência artificial superou a inteligência racional, humana. Fomos superados pelas máquinas. Eles chegam a dizer que “A morte é uma mera questão técnica” que pode ser vencida – vide o best seller de Yuval Harari , Sapiens, págs 280 a 288. Não acredito nisso, e acho a análise patética, ridícula, criminosa, para dizer o mínimo, no entanto o livro é aplaudido por milhões de pessoas, entre eles Mark Zuckerberg, Bill Gates e Barack Obama.

Quem achar que não estamos vivendo uma época confusa, de autodestruição, em que guerras cruéis são travadas em espaços virtuais, está fora da realidade! O Brasil foi, e é, uma das maiores vítimas dessa novidade magnífica e aterradora. As recentes eleições presidenciais nos legaram um governo medíocre, odiento e destrutivo! O algoritmo nos presenteou com uma “cambada” de homens públicos despreparados, pessoas sem conhecimento da realidade da sociedade brasileira. O uso das novas tecnologias da informação permitiram que farsantes se comunicassem com uma legião de imbecis, analfabetos funcionais e ingênuos, que os colocaram no poder! Jair Bolsonaro flerta com o caos, produzindo agressões diárias! O preço está sendo alto demais, e a nação está “em parafuso”. Muito embora, a sem-vergonhice venha de longe, já que o poder  Judiciário não funciona nas estâncias superiores. O Supremo Tribunal Federal tornou-se um tribunal político onde Direito e Constituição não contam! A maioria dos membros do STF está pouco preocupada com as leis e em fazer justiça, o objetivo é manter o “status quo”, ou seja, permitir que a corrupção seja a regra no país, e vigore a política de celas vazias para ladrões engravatados. Há um pacto com os políticos corruptos para que o Brasil continue sendo um dos países mais injustos do mundo!

Quero informar que a sentença Admirável Mundo Novo pertence a Shakespeare. Está em A Tempestade, escrita em 1612, peça ambientada em uma ilha totalmente isolada, em que uma jovem, ao entrar em contato com marinheiros desconhecidos, vislumbra uma nova sociedade. Quatrocentos anos depois, o que estamos vendo é um mundo diferente, complicado e confuso, um daqueles pavorosos períodos que aparecem em ondas de tempos em tempos e flagelam nossa existência! O admirável mundo do Algoritmo não nos faz mais felizes! Diria que seu controle está nas mãos de muitos poucos, e esse muitos poucos parecem não querer um mundo melhor. Ou se querem, não conseguem controlar o seu poder! É isso que me parece!

 

The Supreme Court knocks on your door

I am staring at my computer screen – not a paper sheet, as I would like – debating on what to write about, since the number of topics of interests, each on more horrendous than the other, is so immense, that only Shakespeare can help me find the right topic to discuss! What kind of Brazil is this? What kind of people, what kind of public servants are willing to sabotage the progress of a Country on a daily basis? As Horacio said to Hamlet, “But this is wondous strange”. You think, Horacio? Should I instead write about the 10 plagues of Egypt that hit Rio de Janeiro; about the mishaps of our Government; the Brumadinho tragedy; or the pornographic, Steve Bannon friend’s, Olavo de Carvalho?   What am I supposed to talk about? AH! I know! I will talk about freedom! Freedom of expression! Humanity’s biggest treasure! Our greatest gift! Without it we are nothing!

 

I confess, from the bottom of my heart, I am scared that a Process Server might knock on my door and take my computer and smartphone with the accusation that I threatened one, two or three of gods of our Supreme Court! The censorship towards the website “O Antagonista”, the magazine “Crusoé” and the search warrant to the homes of seven Brazilians, including a general, which we are seeing as just censorship is, in fact, a cruel, authoritarian and anti-democratic form of intimidation, with the intent to silence the population! “Do what those reporters did, criticize the members of the Supreme Court, and you will have your homes invaded by us, The Government”. This was the message sent by our Chief Justice, Dias Toffoli and Justice Alexandre de Moraes (no surprise there) to the Brazilian people.

 

The applied censorship lasted a short time. Four days! But the message was sent! The Country is worried. I have my doubts if both, Toffoli and Alexandre de Moraes, did not previously calculate that their arbitrary and unconstitutional act would not be rejected by their Supreme Court peers, the press and the general population! I am sure that a lot of the critics in the social media of a few Supreme Court Justices (everyone knows who they are and I am not mentioning names due to fear of retaliation!),  are scared with what might happen to them! Not that hundreds of thousands of people have not rejected the cruel attack coming from the President of the Supreme Court, and from the even much respected former Federal Prosecutor, Alexandre de Moraes!

 

The intimidation attempt backfired!  The level of negative attrition towards both Justices reached its peak, bordering a demoralizing level! I am sure they felt the heat! The comments from Celso de Melo were devastating – There is no democracy without freedom of expression, and that both Justices promoted censorship! Not to mention the comment from the former Supreme Court Justice, Carlos Veloso and the ever assertive and brilliant, Ayres de Brito, who strongly condemned those actions.

 

Thus, I will wrap up with Shakespeare, citing Macbeth who, after committing innumerous arbitrary and criminal acts when in the Scottish throne, realizes that “Is a tale told by an idiot, full of sounds and fury…signifying nothing”. It is not my intention to cite any of the Justices as idiots, I care for my physical integrity! But this was an act full of Sound and Fury, with no positive outcome for the Supreme Court. It was!  Now, it has to stop!

O STF bate à sua porta

Estou diante da tela do computador – e não de uma folha de papel, como gostaria – pensando sobre que escrever, já que a quantidade de assuntos disponíveis, cada um mais horroroso que o outro, é tão grande, que só mesmo Shakespeare pode me ajudar a achar o tema certo para discorrer! Que Brasil é esse? Que povo, que homens públicos são esses capazes de sabotar o progresso do país o tempo todo? Como diz Horácio para Hamlet “Mas senhor é tudo tão estranho”. Põe estranho nisso, Horácio!  Devo escrever sobre as dez pragas do Egito que atingem o Rio de Janeiro; sobre as loucuras do novo governo; a tragédia de Brumadinho; sobre o pornográfico Olavo de Carvalho?! Vou falar de quê? Já sei! Vou falar de liberdade, liberdade de expressão! A riqueza maior da humanidade! Nosso dom maior! Sem ela não somos nada!

Confesso, com toda sinceridade, que estou com medo de que um oficial de justiça e, mesmo a polícia batam à minha porta e levem meu computador e Smartfone, com a acusação de que fiz alguma ameaça a um dos dois ou três deuses do STF! A censura ao Site O Antagonista e a revista Crusoé e a busca e apreensão na casa de sete brasileiros, incluído um general, que quase todos estamos vendo como apenas censura, é, na verdade, uma forma cruel, autoritária e antidemocrática de intimidação, de por uma mordaça na sociedade! “Façam o que esses jornalistas fizeram, façam qualquer crítica aos ministros do STF, e vocês terão suas casas invadidas por nós”. Esse foi o recado que Toffoli (que não me surpreende) e Alexandre de Moraes (que me surpreendeu) deram ao povo brasileiro!

A censura durou pouco tempo, quatro dias! Mas o recado foi dado! O brasileiro está temeroso. Tenho minhas dúvidas se os dois, Toffoli e Alexandre de Moraes, não tenham calculado que seu ato arbitrário e inconstitucional não seria rechaçado pelos seus colegas de STF e pela imprensa e a sociedade em geral! Tenho certeza de que muita gente que fazia críticas a alguns juízes do STF – todo mundo sabe quais são eles! Não vou dizer seus nomes porque tenho medo de retaliação! – nas Redes Sociais está amedrontado com o que possa vir a acontecer-lhes! Não que centenas de milhares de pessoas não tenham rechaçado o cruel ataque do Presidente do STF, e do até então respeitado ex-promotor de justiça, autor e professor de livros jurídicos para concurso na área do Direito, Alexandre de Moraes. Alexandre rasgou tudo aquilo que escreveu e ensinou em suas aulas! Uma profunda decepção para seus ex-alunos, hoje advogados e membros de carreiras restritas ao Direito – promotores, procuradores, juízes, tabeliães, professores! Triste!

A tentativa de intimidação teve um efeito contrário! O nível de desgaste dos dois ministros bateu no teto, chegando à beira da desmoralização! Tenho certeza de que eles sentiram a pancada! A declaração de Celso de Melo foi devastadora – Que não há democracia sem liberdade de expressão, e que o que os dois fizeram foi censura! Sem contar a opinião de ex-ministros do STF, como Carlos Veloso e o sempre assertivo e brilhante Ayres Brito, que condenou fortemente a ação!

Assim, posso concluir com Shakespeare, citando Macbeth que, depois de cometer todas as arbitrariedades e crimes no trono da Escócia, conclui que a vida “É uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, nada significando”. Longe de chamar qualquer um dos ministros de idiota, tenho amor à pele! Mas que foi uma ação cheia de muito Som e Fúria, sem nenhum resultado favorável ao STF, isso foi! E que pare agora!

Ocidente Decadente

Se você ainda não pintou os dentes, colocou silicone nos seios, nádegas ou pernas, pôs botox no rosto, piercing em algum lugar do corpo, ou fez tatuagem, então você precisa se reciclar, você está fora de moda, e no dizer – inocente – do rei Roberto Carlos, nos anos 60, “você está ficando démodé”! Pois saiba que a estupidez cosmética tomou conta da sociedade. O deserto de ideias, a falta de amor e união, a força da tecnologia, o desespero inconsciente que tomou conta do ocidente, estão obrigando as pessoas a modificarem seus corpos para cobrir sua nudez existencial.

 

Isso é exposto nas Redes Sociais, a praga dos tempos, uma maré, um trem desgovernado, que está atropelando tudo, espalhando loucuras de forma rápida como rastilho de pólvora, trazendo novidades que ninguém consegue controlar. Dá para suportar o país discutir a centésima tatuagem do “menino” Neymar e suas quedas? Como festejar um jogador que transformou o outrora glorioso futebol brasileiro em motivo de chacota mundial! Esse rapaz ocupa um quinto do tempo da imprensa brasileira. Transformado em celebridade nacional, você é obrigado a contemplá-lo e encarar sua obtusidade o tempo todo. Neymar é apenas o ícone, o símbolo dessa desordem toda. Trata-se de um circo de horrores! Assim, a mentira é pregada na teia mundial, nas redes – talvez o termo Rede tenha a ver com enredar, enrolar… Ou seja, transformar todos em meros escravos da mídia. Noventa por cento das pessoas não têm a menor ideia do que estão fazendo, e seguem qualquer coisa que as Redes lhes dizem.

 

Assim, preenchem seus corpos e mentes com lixo, simplesmente porque essa é a moda, “Esse ladrão disforme” como a chamava Shakespeare! A realidade está sendo distorcida o tempo todo, e  criando discípulos de Goebels, que estão se multiplicando da mesma forma que os nazistas na Alemanha após 1933, aos milhões. Eles estão martelando perversões de forma tão aguda, que nem mesmo as velhas gerações nascidas nos anos 50 e 60 estão escapando da lavagem cerebral coletiva. Está surgindo uma sociedade cosmética uniforme, cuja principal característica é a agressão corporal e o esvaziamento da mente. A profunda fragmentação de suas almas e mentes pode ser vista e lida nos corpos dessas pessoas.

 

Tudo está confundido, misturado, e os espertalhões que controlam a enorme massa que absorve os vapores da enrolação estão cada vez mais poderosos, satisfeitos e ricos. Riem das facilidades de como ficou fácil controlar mentes frágeis, que apenas respondem aos estímulos que recebem por intermédio do poder esmagador da mídia. O mundo está sendo dominado por idiotas!

 

Tudo indica que esse deslocamento de poder para o Oriente: Coréia, China, tigres asiáticos e o ocidentalizado Japão esteja levando partes do ocidente ao desespero. Como que a Democracia, essa grande conquista de apenas dois séculos, muito embora só consolidada verdadeiramente após o cataclisma de 1945, esteja permitindo que isso aconteça? Afirmo categoricamente que parte do ocidente vive uma fase de desespero existencial.

 

Nunca usamos tantas máscaras para esconder nossa pobreza existencial! As modas sempre passaram, mas agora elas estão se transformando numa espécie de vírus em constante mutação, prolongando a doença. Mesmo que os parlamentos nunca tenham feito tantas leis para proteger as pessoas delas mesmas, para tratà-las como indivíduos soberanos, para conceder-lhes direitos que elas nem sempre precisam, e para discutir sua sexualidade, mesmo assim, elas nunca se consideraram tão sozinhas e sem amor, como estão se sentindo agora. “Conversai, e olhai a vossa volta”!

 

E o pior é que o Facebook e congêneres, as Redes, de que já falei aqui, que foram feitos para consolar a todos  não consolam, ao contrário do que se pensava, e muitos já desistiram de continuar tentando – estou ironizando! Porque parece, eu já sabia,  que a melhor forma de se relacionar ainda é aquela primitiva que nossos país e avós faziam, que era paquerar, namorar, noivar, casar, construir e, de certa forma, brigar juntos, tocando um no outro, até fazer as pazes. Curtir e comentar fotos bonitinhas do por do sol no Cristo Redentor, ou em Jericoacoara, sozinho diante do teclado cansa, cansa e entristece. A velha forma de se relacionar era mais satisfatória.

 

Assim, os farsantes e mentirosos, em busca de poder, têm prosperado, apoiados numa gigantesca plataforma montada para impor suas perversões, adotando a velha prática: repetir mil vezes. Se essa turma das redes sociais disser que enrolar um arame farpado no pescoço dá uma sensação de liberdade, podem ter certeza de que a grande massa o fará. Eis o fruto do desespero!

 

Por mais que as palavras sejam distorcidas, eu ainda continuo acreditando no poder dos livros, contidas nessas poucas publicações e obras que ainda trazem verdades estampadas sem empulhações e máscaras. Ainda há esperança!

Lembro que Shakespeare já tinha avisado a todos nós, pela boca de Falstaff: “A virtude é tão pouco apreciada nestes tempos de mercantilismo que o valor se converteu em domador de animais. Os dons que pertencem ao homem, dada a maneira com como a perversidade do século as trata, não valem uma maçã”.

É assim que eu estou vendo as coisas em 2019! E sequer falei de Oswald Spengler e sua obra O Declínio do Ocidente!

João de Deus e os Gurus Pervertidos

As denúncias de assédio sexual e estupro contra João Teixeira de Faria, o famoso médium João de Deus ou “John of God”, como o chamam seus fãs do exterior, deu-me a oportunidade de escrever sobre um tema que há muito tempo martelava minha cabeça: o dos “gurus espirituais”,  “os iluminados”, “ curandeiros”, esses impostores, envolvidos em estelionato, roubo, crimes sexuais, assassinatos, ou seja, pilantras, criminosos escondidos atrás da máscara de “espíritos elevados”, que “se comunicam com os céus”, e que, por isso, “têm o dom da cura”. A maioria deles, como veremos aqui, usam a Índia e o Tibet e a religião budista como amparo. Usam um escudo visual: ­ normalmente raspam as cabeça e usam longas barbas, e usam vestes, nunca calças e camisas. No caso dos gurus cristãos, a roupa branca e uma cara de piedoso, mãos postas e olhos fechados são o modelinho básico.

Podemos começar citando Maharishi, o famoso guru espiritual dos Beatles. George Harrison foi quem levou a banda para a Índia, cidade de Rishikeshi, para meditar com esse “sábio indiano”. Junto com eles foram a atriz Mia Farrow e sua irmã. Muito embora a visita a Índia tenha tido um forte impacto sobre a banda, os Beatles interromperam a visita e acusaram Maharishi de tentar abusar sexualmente de Mia e sua irmã. O episódio gerou a música “Sex Sadie”, cujo versos dizem o seguinte:“Sexie Sadie o que você fez? Você fez todo mundo de bobo! Você quebrou todas as regras”!

Talvez o mais famoso desses pilantras seja Bhagwan Rajneesh, depois chamado de Osho. Esse sujeito gozou e ainda goza de um prestígio gigantesco, quase lendário, principalmente durante os anos 80 –– quem não lembra dos Rajneeshs?–, como guru espiritual de muitos milhares de pessoas ao redor do mundo. Osho, após ser expulso da Índia, montou uma comunidade nos EUA, no estado do Oregon, chamado de Wild Wild Ranch! O que prometia ser uma cidade espiritual, de meditação – gente de todo o mundo passou a morar lá –, transformou-se num pesadelo. Osho era proprietário de mais de 90 automóveis Rolls Royce, jóias e relógios caríssimos, jatinhos, todos doados pelos seus discípulos, muitos deles atores de Hollywood. Mas isso não era nada, Osho cercou-se de desajustados, pregando o amor livre, o sexo sem peias com orgias sexuais regadas a muita droga lícitas e ilícitas. Cercou-se de fanáticos seguidores fortemente armados. Era a cura espiritual. Entrou em choque com a comunidade americana local, e relatos de envenenamento, tentativa de assassinatos deram a tônica. Rajneesh foi preso e expulso do EUA, e continuou com suas picaretagens na Índia, onde montou um “Spa espiritual” para milionários entediados, até morrer em 1990, provavelmente, em consequência da AIDS. Vejam a série Wild Wild Ranch no Netflix!

Outro caso recente é o de Sri Prem Baba (em sânscrito Sri é Senhor, Prem Amor Divino e Baba Pai espiritual). Prem Baba é, na verdade, um pilantra nascido em São Paulo chamado Janderson Oliveira Fernandes. Esse sujeito foi para a Índia, e de lá voltou se dizendo discípulo de um sábio Hindu e com o dom da cura através da meditação. Ostentando o surrado visual “careca de barbas longas e saiote indiano”,  ele enganou uma manada de otários tomando-lhes bastante dinheiro. A maioria desses incautos eram atores e atrizes,  políticos poderosos como Aécio Neves, Eduardo Paes, Marconi Perillo – ou seja, gente igual a ele. A bela, e sempre equivocada, ela pensa que é escritora, Bruna Lombardi é uma de suas seguidoras. Prem Baba abusou sexualmente de três mulheres, dizendo ser essa forma de libertá-las de seus problemas sexuais. Prem Baba, admitiu seus crimes, e não foi punido. Desmascarado, está milionário, dono de varias empresas. Todas elas construídas com dinheiro tomado de pessoas ingênuas.

E porque não falar do Reverendo Moon, um ladrão coreano, fundador de uma tal Igreja da Unificação, expulso dos EUA, e que veio para o Brasil, comprou um pedaço do Mato Grosso e do Paraguai, e lá montou a sede da igreja que faria a unificação espiritual dos povos. Encheu o Mato Grosso e o Paraguai de coreanos incautos. Expulso do Brasil, morreu “podre de rico” dono de um vasto conglomerado empresarial. Tudo dinheiro roubado de incautos. Quem não lembra de Jim Jones – virou o personagem Tim Tones, de Chico Anísio –, outro líder espiritual americano, que levou mais de 900 pessoas ao suicídio coletivo afirmando, em nome de Jesus, que o fim do mundo tinha chegado!

E temos agora o João de Deus, o curandeiro espiritual de Abadiânia, aqui do lado de Brasília, endeusado no mundo todo, sucessor de Chico Xavier, desmascarado como um pervertido sexual que abusou sexualmente de centenas de mulheres, inclusive de crianças de onze anos e, pasmem, estuprou a própria filha dezenas de vezes! João “de Deus”, ou João do Cão, é melhor esse título de rima rica, é pai de nove filhos, de nove mulheres. Só isso já é suficiente para mostrar que se trata de um depravado. João de Deus “tratou” de pessoas como Bill Clinton, Oprah Winfrey, o jogador Ronaldo e dezenas de outros poderosos. As provas contra ele são irrefutáveis! Os depoimentos das mulheres violentadas são devastadores. Denunciado, João está sumido. Seu destino é a cadeia. É uma questão de dias. Adivinhem quem saiu em defesa dele? Renan Calheiros! Isso mesmo, o jagunço das Alagoas, uma das figuras mais asquerosas da República, que responde a catorze processos no STF. Eles se merecem!

Poderíamos citar muitos e muitos outros casos de picaretagem espiritual, principalmente envolvendo muitas igrejas evangélicas em que “pastores” “libertam” mulheres do demônio, tendo relações sexuais com elas; dos padres pedófilos que abundam mundo afora, em especial nos EUA; da violação de freiras… Mas isso faz parte das fraquezas humanas. Estamos falando de um único indivíduo apontado como líder espiritual, que exerce influência sobre um grande número de pessoas, um ‘iluminado’, um “homem de Deus”.

Não conheço o Código Penal, mas acredito que o crime desses sujeitos pervertidos, seguidos de fanáticos, deveria ter dupla punição: trata-se literalmente de abuso da fé alheia. De pessoas já profundamente machucadas e, em grande maioria, vítimas de abuso sexual na infância, de estupro, e que, ao procurar ajuda espiritual, caem na mão desses depravados. O abuso sexual é absolutamente destruidor, e causa uma dor irreparável, insuportável e leva à autodestruição. Sabemos também que muitas dessas pessoas, de tão desesperadas, continuam nesse círculo vicioso, vivendo em redor desses bandidos, presos a eles numa espécie de Síndrome de Estocolmo. O tal Osho, já falecido e  Prem Baba, continuam com seus centros de picaretagem funcionando. Uma outra coisa une todos esses sabichões: o amor ao dinheiro, ao luxo. Todos eles são hábeis empresários e vivem como nababos!

Pergunto se alguém lembra de Lobsang Rampa, o monge budista do Tibet, de 250 anos de idade, da cidade sagrada de Lhasa, autor dos livros: A Terceira Visão, Entre os Monges do Tibet, O Médico de Lhasa e muitos outros títulos, todos eles Best Selers nos anos 70 e 80. Lobsang Rampa teve e ainda tem uma legião de seguidores pelo mundo. Pois muito bem, muitos anos depois Lobsang Rampa, disse que seu verdadeiro nome era Ciryl Hoskins e que nascera na Grâ-Bretanha, tinha pouco mais de 50 anos, e escrevera todos aqueles livros apenas para ganhar dinheiro. Que seus livros não passavam de obras de ficção! E que nunca fora ao Tibet. Essa é a verdade!  Ciryl, que não cometeu nenhum crime, continua tendo seguidores, mesmo ele negando a existência do ser Lobsang Rampa. Vejam até aonde o fanatismo religioso é capaz de chegar!

Shakespeare utilizou fantasmas, espíritos e bruxas em suas peças: Hamlet, Macbeth, A Tempestade porque faziam parte da crença da época, como recurso teatral e porque ele sabia do enorme poder que essas forças exerciam sobre o ser humano. ´É no Mercador de Veneza que ele condena esses pervertidos, pela boca de Antônio:  “Notai isto, Bassânio, o diabo pode citar as escrituras para seus propósitos! Uma alma má que apela para testemunhas sagradas é como um perverso de risonho semblante, uma bela maçã podre por dentro! Oh, como a falsidade pode revestir-se de um belo exterior”. E conclui em Hamlet “Porque é possível sorrir, sorrir e ser vilão”.