Complexo de Harvard

A Universidade mais antiga do mundo foi criada na cidade de Bolonha, Itália, no ano de 1088. Em seguida, veio a Universidade de Oxford, 1096, na Inglaterra, e depois a Universidade de Paris, 1170. A Universidade mais antiga das Américas é a Universidade de São Marcos, no Peru, criada pelos espanhóis em 1551. O Brasil só viria a ter uma Universidade em 1808, a Faculdade de Medicina da Bahia, criada por Dom João VI.

A primeira Universidade fundada nos Estados Unidos da América foi a Universidade de Harvard, em 1636, embora esse nome só tenha sido cunhado em 1936. Localizada em Cambridge, estado de Massachusetts, na região chamada de Nova Inglaterra. Harvard é considerada a melhor Universidade do mundo, dividindo esse título aqui e ali com a Universidade de Oxford. Podemos dizer que as cinco mais prestigiosas universidades do mundo são: Harvard, Oxford, Cambridge (Inglaterra), Yale e o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Lembrando que, no ranking das cem melhores do mundo não existem Universidades brasileiras ou latino americanas.

Pois bem, e o que torna Harvard a melhor Universidade do mundo? Segundo o site do Harvard College, seu objetivo é “Educar os cidadãos e os líderes de cidadãos para a nossa sociedade, por intermédio do compromisso com o poder transformador de uma educação em artes liberais e ciências”.  Harvard tem em torno de 23 mil estudantes e a maior biblioteca acadêmica do mundo, com mais de 20 milhões de volumes, 400 milhões de manuscritos, 10 milhões de fotografias, 124 milhões de páginas arquivadas. A biblioteca é dividida em setenta unidades espalhadas pelo campus, com 800 funcionários! Pelos bancos de Harvard, já passaram trinta e oito prêmios Nobel e trinta dois chefes de estado.

Uma coisa curiosa e… admirável; a renda familiar do aluno é que determina quanto ele irá pagar de anuidade. Portanto, ele poderá não pagar nada, ganhando uma bolsa de estudos ou arcando com algo em torno de cento e cinquenta mil reais por ano. O único critério de aprovação é que o aluno seja aceito pela Universidade. Tem que provar que estudou, que sabe e está apto a ser aluno de Harvard. Passaram por lá George Bush, Bill Gates, Mark Zuckerberg, Matt Damon, Al Gore, Henry Kissinger, John Kennedy, T.S Elliott e outros. No Brasil, Roberto Mangabeira Unger (foi professor), Gustavo Franco, Jorge Paulo Lemman, Eduardo Saverin (criador do facebook) e muitos outros. Portanto, ter estudado em Harvard, significa que o aluno “é bom”, inteligente, “genial”, brilhante. Um mestrado, doutorado, um PhD em Harvard é a “glória total”. Assim, essas pessoas não precisariam provar mais nada.

Pois não é que brasileiros bem sucedidos, que chegaram ao topo de suas carreiras, que são sucesso em outras áreas, estão padecendo de um mal denominado Complexo de Harvard?! Vejam só o que aconteceu esta semana. Descobriu-se que duas pessoas, e suspeita-se de mais duas,  contraíram essa doença. O primeiro caso registrado foi da professora da Unicamp Joana D’arc Félix. Ela se disse Pós-doutorada em Harvard. Era mentira. Harvard não tem pós-doc; depois foi o caso do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel que se dizia Doutor em Harvard, era mentira.

Assim, depois do surto de Dengue temos uma nova epidemia, o Complexo de Harvard, uma doença da mente nascida de um sonho não realizado. Curioso, não é mesmo?! Tenho certeza de que se formos vasculhar por aí, vamos ver que tem muita gente boa sofrendo desse mal. Vacina já! Vergonha na cara é o nome do antídoto. É disso que eles precisam. Resultado, os complexados de Harvard viraram motivo de chacota nas Redes Sociais. Claro que um título de doutor em uma grande Universidade é motivo de orgulho pra qualquer pessoa! Conhecimento é poder! Agora, mentir, falsear diplomas é deplorável, vergonhoso, doentio!

Lembro que William Shakespeare, a mente mais criativa da história da humanidade não fez faculdade alguma, e foi atacado pelos University Wit, os Sabidos da Universidade de sua época. O que não impediu que três séculos depois o grande poeta William Carlos Williams, ecoando o mundo todo, dissesse: “Shakespeare é a maior de todas as Universidades”.  Estudemos, pois, para chegarmos a Harvard. É uma glória, mas não é tudo, existem várias outras formas de ser “grande” e realizado, viu Witzel!

Vacina pra vergonha na cara… já!