A Liga dos Cabeças Brancas

Esse artigo ia se chamar O Canalha da Cabeça Branca. Um excelente título, no entanto, acabei mudando-o, porque lembrei do conto de Sherlock Holmes, A Liga dos Cabeças Vermelhas! Fã apaixonado que sou, como quase todo mundo – são sessenta contos (quatro são consideradas novelas) – pelo  genial detetive inglês, conterrâneo de Shakespeare, não poderia deixar essa oportunidade passar em branco. Decidi parodiar esse título, porque é uma história sobre ladrões. E como o Brasil é um país de ladrões…Tem enredo melhor: corruptos brasileiros fazendo parte de uma trama de Sherlock Holmes! Legal, não é mesmo?

A Liga dos Cabeças Vermelhas é um dos melhores e mais originais contos policiais de Sherlock Holmes. Trata-se do seguinte: dois pilantras resolvem roubar um banco. A melhor forma é cavando um túnel a partir uma pequena loja ao lado, de propriedade de um ingênuo comerciante, famoso por ter o cabelo vermelho, de tão ruivo que é. O problema era como afastar o comerciante da propriedade, que além de tudo lá residia! Foi então que eles tiveram a ideia de criar a Liga dos Cabeças Vermelhas. Já que um dos ladrões também tinha o cabelo vermelho. E inventaram a seguinte história: um rico comerciante morrera e deixara uma herança para cinco homens nascidos na Inglaterra que tivessem o cabelo tão vermelho quanto o dele. Resultado: no dia seguinte, filas enormes se formaram na porta do escritório dos pilantras. O objetivo foi atingido: o senhor Jabez Wilson, o tolo comerciante, “foi o escolhido”. Seu bem remunerado emprego era muito simples, tinha que passar oito horas no local de trabalho copiando a Enciclopédia Britânica. E que não se ausentasse um minuto do local, o escritório dos golpistas. Assim, enquanto O Cabeça Vermelha copiava a enciclopédia, os ladrões cavavam o túnel. É então que aparece Sherlock Holmes e deslinda o caso, pegando os ladrões literalmente com a mão na massa. Resultado, os ladrões são presos e A Liga dos Cabeças Vermelhas é desfeita.

O pior canalha é o da cabeça branca, pois tem ares de venerável! É mais que natural, achar que as pessoas, a medida que envelhecem, vão aprimorando seu caráter, corrigindo arroubos da juventude e agindo com mais correção e responsabilidade, num processo natural de amadurecimento, até mesmo porque já são agora pais, avós e bisavós. E é preciso dar exemplos aos seus descendentes queridos, ou seja, à família. Deveria ser assim, e é na maioria das sociedades que nos cercam. No Brasil há um grupo diferente. Observamos que, aqui, quanto mais velhos nossos homens públicos ficam, mais sem-vergonhas eles se tornam! Pelo menos é isso que estamos vendo no Brasil atual. Quanto mais cabelos brancos ele tem, mais safado ele é. É como se cada fio de cabelo embranquecido aumentasse sua depravação. Claro que não são todos. Mas o percentual é elevadíssimo. Lembro que na antiga União Soviética, antes da subida de Mihail Gorbatchev, a imprensa internacional chamava o governo russo de gerontocracia. Podemos dizer o mesmo com Brasil de hoje! Somos governados por um bando de velhos corruptos! Olhem para eles! E são poucos os Cabeças Pretas a se revoltarem contra esses safados!

Vejamos a quadrilha que compõe o governo atual: um bando de sem-vergonhas septuagenários, mentirosos apoiados por outros safados octogenários de fora do governo, que desfrutam de benesses para eles ou seus filhos e netos, mentindo e emitindo opiniões em defesa da quadrilha, amparados num juridiquês fajuto. Muitos desses calhordas ostentam uma calvície, ou mesmo uma careca, que escondem os cabelos brancos que já se foram. Pomposos, cheios de argumentos falaciosos, eles defendem a quadrilha instalada no governo. Denomino-os de a Liga dos Cabeças Brancas. Uma quadrilha que está acabando com o Brasil, chefiada por um cabeça branca completamente desmoralizado.

A Liga dos Cabeças Vermelhas, da Inglaterra, foi destruída por Sherlock Holmes, o maior detetive de todos os tempos! Pergunto agora: quem vai desmontar a Liga dos Cabeças Brancas do Brasil? Com a palavra, os Cabeças Pretas do Brasil!